A tragédia de Freud em uma pandemia, que mudou sua teoria



Por Adriana Mucillo para o Jornal Clarín

Tradução: Marly Terra Verdi – Presidente do GEP Rio Preto e Região


O pai da psicanálise perdeu sua quinta filha, Sophie, em 1920, devido à chamada "gripe espanhola". A dor o levou a rever suas ideias sobre perdas afetivas.


Há um século, a chamada "gripe espanhola", causada pelo vírus influenza, reduziu drasticamente a densidade da população mundial. Como agora, com a Covid-19, não se sabia muito sobre esse inimigo invisível e, então, a humanidade estava desamparada. Para isso, devemos acrescentar os efeitos devastadores da Primeira Guerra Mundial, que terminou ao mesmo tempo em que esta pandemia eclodiu. Em dois anos, entre 1918 e 1920, o vírus matou de 50 a 100 milhões de pessoas, incluindo Sophie, a quinta filha de Sigmund Freud.


Ela estava na terceira gravidez (indesejada, como evidenciado nas cartas que escreveu para o pai, que a aconselhou sobre os métodos contraceptivos conhecidos na época e, de fato, classificou os médicos como "retrógrados" por eles não informarem seus pacientes sobre eles, além de expressar ao Dr. Arthur Lippmann, do Hospital de Hamburgo, seu desconforto por "uma lei tola e desumana que obrigava as mulheres a continuar com gestações indesejadas").


“Hoje à tarde, recebemos a notícia de que a pneumonia do vírus influenza nos tirou nossa doce Sophie em Hamburgo. Ele o tirou de nós, apesar de ter uma saúde radiante e uma vida ativa e plena como boa mãe e esposa amorosa, tudo em questão de quatro ou cinco dias, como se nunca tivesse existido ", escreveu Sigmund Freud ao pastor Oskar Pfister em uma carta datada de 27 de janeiro de 1920.


Até então, Freud havia considerado o luto um processo natural e necessário, que talvez nos confrontasse com nossa própria finitude e que deveria ser trabalhado e superado, mas por ter perdido sua própria filha, com apenas 26 anos e, acima de tudo, falhando em se despedir dela, por não ter encontrado transporte para chegar a tempo, ele sentiu que estas suas teorias estavam desmoronando.


Sophie Freud nasceu em 12 de abril de 1893. Ela era a quinta filha do pai da psicanálise e era considerada a mais bonita. Pelo menos isso é revelado por outra Sophie Freud, neta de Sigmund, que - em uma entrevista em 2006, aos 82 anos, declarou ter o mesmo nome de sua tia, mas não o mesmo destino em termos de beleza. A neta também conta que, devido à sua personalidade determinada e entusiástica, Sophie era a favorita de seu ilustre avô, a ponto de “amolecê-lo de seu caráter tirânico e patriarcal” e que isso motivou o ciúme de sua outra tia, Anne, contra sua irmã.


Casada desde os 20 anos de idade com um fotógrafo e retratista de 30 anos chamado Max Halberstadt, Sophie Freud teve seu primeiro filho, Ernst Wolfgang, no ano seguinte. Em uma carta ao seu colega Karl Abraham, seu avô Sigmund escreve: “Meu neto Ernst é um amiguinho encantador que ri de maneira atraente quando você presta atenção nele. É uma criatura decente e valiosa nestes tempos em que apenas a bestialidade desenfreada cresce.” É assim que Freud descreve os dias do fim da guerra e do início de uma pandemia.


Em 8 de dezembro de 1918, seu segundo neto, Heinz, nasceu e as dificuldades financeiras preocuparam Sophie. Freud a ajudou com dinheiro e até recomendou métodos contraceptivos. Mas logo Sophie anunciou sua terceira gravidez ao pai. “Se você acha que as notícias me deixam muito zangado ou consternado, você está errada. Aceite esse bebê, não fique desapontada. Dentro de alguns dias você receberá o pagamento de uma parte das minhas novas edições”, respondeu Freud.


Mas esse terceiro bebê nunca nasceu. Sophie Freud foi internada no hospital por complicações na gravidez e lá contraiu influenza, que causou sua morte por pneumonia grave. Freud escreveu a seu genro Max Halberstadt: “A morte é um ato de destino brutal e absurdo (...) pelo qual não é possível culpar ninguém (…), mas apenas abaixar a cabeça e receber o golpe como os pobres e indefesos seres que somos, submetidos ao jugo de uma força maior”.


Sigmund Freud nem sequer conseguiu despedir-se de sua filha, pois não conseguiu chegar a tempo: “Embora estivéssemos preocupados por alguns dias, ainda tínhamos esperança, mas julgar a distância é muito difícil. E essa distância tinha que permanecer distante, não podíamos sair imediatamente, como havíamos antecipado após a primeira notícia alarmante, porque não havia trem, nem mesmo para uma situação de emergência. O óbvio é que a brutalidade de nossos tempos pesa sobre nós. Amanhã eles a cremarão”, escreveu ele.


Por um tempo, o criador da técnica psicanalítica tentou sustentar seus postulados na elaboração do luto, mas, nove anos após a morte de Sophie, Freud escreveu ao seu amigo e colega Ludwig Binswanger uma carta evidenciando sua dificuldade em superar a perda: "Eu trabalho o máximo que posso e sou grato pelo que tenho. Mas a perda de um filho parece ser uma lesão grave. O que é conhecido como luto provavelmente durará muito tempo".


A partir desse sentimento, ele conclui: “Sabemos que a dor aguda que sentimos após uma perda continuará e também permanecerá inconsolável e nunca encontraremos um substituto. Não importa o que aconteça, não importa o que façamos, a dor está sempre lá. E é assim que deve ser. É a única maneira de perpetuar um amor que não queremos abandonar.”

156 visualizações

CONTATO

Telefones: (17) 3235-2362 | (17) 99794-6042

E-mail: contatogepriopreto@gmail.com

Rua Penita, 3366 - Redentora
CEP: 15015-820 São José do Rio Preto - SP

 

Horário de funcionamento: das 14h às 18h

ENVIE UMA MENSAGEM
  • Instagram-min
  • Face-min