Textos

Sobre a finalização do processo seletivo para a formação psicanalítica

Postagem:

...
Por MARIA APARECIDA SIDERICOUDES POLACCHINI
Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e Sociedade Brasileira de Psicanálise Ribeirão Preto
Membro do Grupo de Estudos de Psicanálise de São José do Rio Preto e Região

Imagem: Museu do Freud em Londres



É com imensa satisfação que finalizamos o processo seletivo/2020 para a formação psicanalítica, o primeiro de nosso Instituto de Psicanálise do GEP Rio Preto e Região, com a aprovação de seis postulantes que passam a constituir a Primeira Turma de Candidatos desse Instituto.

Pelo nível de excelência da seleção, congratulamos as selecionadas pelo resultado alcançado.

Os Grupos e as Sociedades de Psicanálise ligados à Associação Psicanalítica Internacional (IPA), como o nosso GEP, através de seus Institutos de Formação têm a tarefa de preservar uma consistente relação entre o pensamento psicanalítico, a prática clínica e a instituição psicanalítica. 

A formação psicanalítica, nos padrões da IPA, se constitui, sobretudo, como caminho de desenvolvimento psíquico, e assim sendo, tem seu começo, mas será sempre inacabado, com todas as possibilidades futuras de crescimento dentro da própria instituição psicanalítica. 

Para além da responsabilidade com a transmissão e produção de conhecimento psicanalítico, essa qualidade de formação tem um compromisso com a vida psíquica, com o processo de crescimento mental na direção da singularidade do candidato. Esse desenvolvimento do candidato é também importante para suas relações institucionais, estas que constituem o quarto eixo da formação, além dos três outros eixos, a saber, a análise didática, o curso teórico e de técnica e as supervisões. 

O caminho desta formação em psicanálise possibilita o desenvolvimento das funções psicanalíticas da personalidade: capacidade de contato com a realidade psíquica, capacidade de aprendizado emocional aberto para novas significações e busca pela verdade (Mello Franco, 2000). Assim, esta formação encontra suporte nas análises didáticas, promotoras de aproximações mais íntimas com a verdade do ser e de suas contínuas transformações. As supervisões fortalecem o processo de vir-a-ser psicanalista.

A função dos docentes, nessa formação, é arte que deve levar à conversão do olhar, assim, para além de alargar as perspectivas do saber, ampliar o horizonte do ser.    

 O Instituto oferecerá aos seus candidatos um ambiente que promova reflexões renovadas, que permita atualizar e reavivar o conhecimento já consagrado e conceder o desenvolvimento de novos modos de apreensão e expansão da Psicanálise, possibilitando uma exploração mais profunda e também mais ampla do pensamento psicanalítico, além do diálogo com outras áreas do conhecimento e cultura.  

O estudo teórico, através de uma leitura atualizada dos textos clássicos e das produções contemporâneas, perspectiva a expressão do pensamento individual e criativo, sobretudo para fundamentar a produção futura de conhecimento psicanalítico.

Assumimos a diretoria do Instituto para nos inclinarmos com dedicação e respeito às complexas questões que envolvem essa qualidade de formação. Nossas ações estarão moduladas pelo diálogo, disposição à cooperação, respeito às diferenças e consideração com as afinidades, para a manutenção dos laços e compromissos institucionais.

            A parceria fértil do Instituto com o GEP é fundamental para o fortalecimento mútuo. Em conjunto, mantém o compromisso com o contínuo processo de evolução científica do psicanalista em formação, dos analistas já qualificados, da própria instituição e da psicanálise. Como nos propõe Andrade (2000), “evolução é uma exigência ética” (p.401).

            Às nossas candidatas, as boas-vindas à formação psicanalítica.

 

 

Referências:

 

Andrade, S. H. (2000). A criação do setting institucional – a experiência do Grupo de Estudos de Psicanálise Ribeirão Preto. In: Jornal de Psicanálise. SP. Vol. 33, nº 60/61, p. 401.

Mello Franco, O (2000). Fundamentos teóricos, clínicos e técnicos do enquadre na formação analítica. In: Jornal de Psicanálise. SP. Vol. 33, nº 60/61. 

 

 

Maria Aparecida Sidericoudes Polacchini

 

Diretora do Instituto de Psicanálise do GEP Rio Preto e Região.

 

Janeiro de 2021 

Textos semelhantes por tag

Compartilhe com seus amigos e família

Textos Recentes